Palestra: Quantidade versus qualidade na produção científica brasileira

Prof. Dr. Osvaldo Novais de Oliveira Junior
Instituto de Física de São Carlos, USP

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

        Com o crescimento expressivo da ciência brasileira e o financiamento continuado nas últimas décadas, ganha força uma análise crítica do desempenho de nossa ciência, principalmente no que tange à qualidade. Há uma percepção de que estamos atingindo quantidade, mas não a qualidade almejada. Esta percepção é consubstanciada por indicadores numéricos que mostram um impacto relativamente baixo da ciência brasileira, em termos de citações e publicações em revistas de grande prestígio.Nesta palestra apresento um diagnóstico dos problemas do sistema científico brasileiro, e adoto como hipótese que excelência em pesquisa depende de uma cadeia de fatores interligados. Os principais são: i) escolha do problema a ser atacado; ii) disponibilidade de equipamentos e métodos para atacá-lo; iii) disponibilidade de equipe; iv) capacidade de comunicação. A probabilidade de atingir excelência só é alta se todos os requisitos forem preenchidos simultaneamente, e isso explica a dificuldade de produzir trabalhos de impacto. Após uma análise da realidade brasileira em comparação com grupos de pesquisa de ponta no mundo, sugiro maneiras de atacar alguns dos problemas identificados com um conjunto de quatro tipos de ações: a) continuar investindo em infraestrutura, principalmente equipamentos multiusuários e laboratórios compartilhados; b) continuar investindo na formação e manutenção de redes de pesquisa; c) criar sistema específico para inovação, de maneira a construir uma base tecnológica para um número razoável de áreas; d) intensificar a internacionalização da nossa ciência.

Palestra: Física e filosofia na vindoura revolução da neurociência

Prof. Dr. Osvaldo Frota Pessoa Junior
Depto. Filosofia – FFLCH – USP

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

       Alguns cientistas e filósofos começam a falar em uma futura grande revolução na neurociência, com consequências para a representação de quem nós somos. Após examinar brevemente como técnicas de física experimental estão abrindo o caminho para o estudo de células neurais individuais, apresentarei considerações da área da filosofia da mente a respeito da natureza da consciência e do estabelecimento de leis psicofísicas. Isso leva a reflexões sobre o que é a física, tendo em vista que alguns físicos já falam em uma “física da consciência”. Como entender a emergência de subjetividades em um universo físico?Argumentarei que a física teórica e a modelagem computacional terão papel limitado nesta pesquisa, pelo fato de elas não capturarem as “qualidades” que vivenciamos subjetivamente. Defenderei que tais qualidades são reais, fazem partem do mundo físico, e se localizam em regiões do encéfalo.

Minicurso: Software de Visualização e Análise de Campos Meteorológicos - GrADS

Dr. Luiz Felippe Gozzo

        O GrADS (Grid AnalysisandDiSplay) é um dos softwares mais utilizados na produção e análise de campos meteorológicos em todo o mundo, devido à sua relativa simplicidade e flexibilidade. Este mini-curso será uma introdução ao uso desta ferramenta. Através de exemplos e exercícios práticos, serão demonstradas as principais funções deste software. Criação de mapas meteorológicos diversos, gráficos de dados e uma introdução à linguagem de programação em GrADS ("grads script") serão os assuntos abordados.

Palestra: Períodos Extremos Secos no Sudeste do Brasil: a TSM do Oceano Atlântico Sul, Fontes de Umidade e Frentes Frias na América do Sul

Profa Dra Luana Albertani Pampuch
UNESP - Campus de São José dos Campos

          Os eventos extremos de precipitação podem ocorrer na forma de elevados registros de precipitação (extremos chuvosos) ou por registros de extensos períodos sem chuva (extremos secos). Os eventos extremos secos não possuem um grau de destruição material elevado comparado aos eventos extremos chuvosos, porém possuem um alto impacto na sociedade, economia e disponibilidade hídrica (para abastecimento público e geração de energia elétrica). Uma melhor compreensão de como estes eventos ocorrem, pode ajudar na previsão de tempo e clima e também dar subsídios para minimizar os efeitos por eles causados. Uma caracterização/quantificação dos eventos extremos secos que ocorreram no período de 1982 a 2009, no sudeste do Brasil, nas estações de outono, inverno e primavera foi realizada e as características da Temperatura da Superfície do Mar no Oceano Atlântico Sul, as características das fontes e sumidouros de umidade e o comportamento das frentes frias durante estes períodos foram avaliadas. Simulações climáticas com o modelo regional RegCM com mudanças nos padrões de TSM ajudaram na análise dos resultados e na construção de um modelo conceitual para as características sinóticas e dinâmicas de períodos secos no sudeste do Brasil.


Palestra: Física e Filosofia: uma reflexão sobre o método científico e suas implicações para o ensino

Prof. Dr. Moacir Pereira de Souza Filho
UNESP - Campus de Presidente Prudente

          Na concepção de senso comum, a Física é “pura Matemática”Embora a última seja uma ferramenta indispensável para a primeira, éinconcebível desconsiderar o processo reflexivo que envolve a Física. Destaforma, a grande discussão que permeia a filosofia da ciência é sobre a“origem do conhecimento” e a respeito da “verdade científica”. Assim, nacomunidade científica, existe uma discussão acirrada sobre a prioridade e opapel da “experiência” e da “razão” no desenvolvimento científico,semelhante àquela popularmente conhecida: “quem vem primeiro, o ovo oua galinha?”. Neste tom provocativo, esta Palestra tem por objetivo trazer àtona as reflexões deste embate histórico e generalizar algumas ideias para oensino de Física.


Minicurso:  Biomateriais: Uma abordagem multidisciplinar

Ma. Luciana Daniele Trino

          O avanço científico e o interesse na área de biomateriais têm crescido muito nos últimos anos. Estes avanços levaram ao desenvolvimento de biomateriais de alta eficácia, resultando em milhões de vidas salvas ou melhoradas devido ao uso de dispositivos biomédicos como stents vasculares, restaurações dentárias, implantes ortopédicos e lentes de contato. Para o desenvolvimento destes dispositivos biomédicos necessita-se de profissionais com variadas formações a fim de abranger os vários aspectos requeridos, destacando-se o papel de químicos, farmacêuticos, engenheiros, físicos, biólogos, médicos e dentistas. Embora as ca¬racterísticas requeridas de umbiomaterialdependam fundamentalmente de sua aplicação, algumas propriedades sãofrequentemente avaliadas para que o produto final seja economicamente atraente e sua aplicação seja efetiva. Neste sentido, destacam-se as propriedades físicas, como morfologia da superfície, energia superficial, rugosidade, porosidade, cor, transparência e permeabilidade do material; as propriedades biológicas, como a biocompatibilidade, com frequência associada à citotoxicidade, estimulação de adesão e proliferação celular; propriedades mecânicas como tensão de ruptura, alongamento e flexibilidade e propriedades químicas, como densidade, estabilidade e resistência à corrosão. Neste sentido será dada uma abordagem multidisciplinar sobre os aspectos envolvidos na área de biomateriais bem como as possibilidades de pesquisa nesta área.

Palestra: Biometeorologia

Prof. Dr. Fabio Luiz Teixeira Gonçalves
IAG - USP - São Paulo

       A atmosfera é a responsável pela sustentação direta dos homens aos microrganismos e ainda é a fonte de água para todas as formas de vida. Ela também é a responsável indireta pela sustentação de todos organismos presentes em meios aquáticos.
        Há uma interessante especulação se os organismos vivos estão em balanço com o ambiente (leia-se atmosfera, hidrosfera e geosfera) ou simplesmente se ajustam às mudanças neste ambiente. A 1ª hipótese é a chamada "Hipótese de Gaia", na qual o ambiente e a biosfera se comportam como um inteiro organismo vivo, segundo Dr. James Lovelock, e diversos outros cientistas. O certo é que o oxigênio molecular livre na atmosfera, entre outros fatores, é responsabilidade exclusiva da vida no nosso planeta, evidenciando, assim a influência da biosfera na atmosfera.
A atmosfera produz efeitos diretos sobre a fisiologia dos seres vivos. A fisiologia estuda as intricadas relações entre as várias células do organismo, a organização das partes até o todo, e suas respostas à estímulos ambientais. Portanto, a fisiologia está correlacionada à mudanças de fatores meteorológicos que se produzem em poucas horas até dias. A Meteorologia, por sua vez, estuda fenômenos atmosféricos de curto espaço de tempo (horas a meses), enquanto que a Climatologia estuda mudanças de "longo" tempo, anos a séculos. São necessários pelo menos 10 anos de dados para se obter o clima de uma região.
        Desde 1930 existe a biometeorologia médica, mas em 1956 a I.S.B. (InternationalSocietyofBiometeorology) definiu biometeorologia como "o estudo das interpelações diretas e indiretas entre os meios geofísicos e geoquímicos e a atmosfera sobre os organismos vivos." Mas 1970, uma redefinição, com aspectos mais amplos:
"Biometeorologia é o estudo dos efeitos diretos e indiretos (de natureza irregular, flutuante ou rítmica) de físico-, químico-, físico-químico-, micro- e macro-ambientes, de ambas, atmosfera da Terra e outros ambientes similares extraterrestres, nos sistemas físico-químico em geral e nos organismos vivos em particular (plantas, animais e seres humanos)."
        A WMO e a ISB decidiram agrupar bioclimatologia dentro de biometeorologia devido ao fato de que a moderna climatologia fazer parte da meteorologia.


Palestra: Meteorologia: Ciência, esporte e empreendedorismo

Me. João Augusto Hackerott
IAG - USP - São Paulo

        Como qualquer outra ciência aplicada, a meteorologia provê informações importantes para um extenso leque de aplicações. Modelos numéricos complexos que resolvem diversos fenômenos físicos permitem aos meteorologistas fazer previsões cada vez mais precisas e consequentemente mais confiáveis. Desta forma, a credibilidade do profissional de ciências atmosféricas vem sendo muito bem reconhecida e prestigiada em diversos setores da sociedade, fazendo com que gradativamente haja mais interessados em informações meteorológicas, seja para atividades econômicas, como também para atividades culturais e esportivas. Nesta palestra, pretendo compartilhar a experiência que adquiri após participar como atleta da campanha olímpica para as Olimpíadas de Londres 2012 e dos Jogos Panamericanos de Toronto 2015, e como meteorologista de algumas equipes da modalidade Vela durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro 2016. Pretendo também elencar algumas atividades econômicas que estão requisitadas frequentemente aos meteorologistas e que eu venho acompanhando e atuando ultimamente através da empresa TEMPO OK: setor de energias renováveis, agronegócio, seguros e eventos esportivos outdoor. Ao longo da apresentação irei abordar temas gerais como modelagem numérica da atmosfera (mais especificamente o modelo WRF), previsão do tempo e previsão sazonal.


Palestra: Desenvolvimento de novas ligas de titânio com baixo módulo de elasticidade e superfícies bioativas

Dr. Diego Rafael Nespeque Correa
Laboratório de Anelasticidade e Biomateriais, UNESP, Campus de Bauru
Braço Brasileiro de Instituto de Biomateriais, Tribocorrosão e Nanomedicina,UNESP, Campus de Bauru

        Titânio e suas ligas têm sido extensivamente empregados como biomateriais, em virtude de suas propriedades favoráveis como elevada resistência específica, baixo módulo de elasticidade, excelente resistência à corrosão e comprovada biocompatibilidade. A liga Ti-6Al-4V atualmente é uma das ligas mais utilizadas comercialmente, contudo indícios de reações alérgicas e problemas neurológicos relacionados com a liberação de íons de alumínio e vanádio tem limitado sua aplicação. Além disso, o módulo de elasticidade do titânio (100 GPa) ainda está acima do osso cortical (10-30 GPa), o que faz com que ocorra o efeito de blindagem óssea e a consequente falha do implante. Portanto, a pesquisa em novas ligas de titânio tem buscado o desenvolvimento de materiais com baixo módulo de elasticidade, com a adição de elementos não citotóxicos, como nióbio, molibdênio, tântalo e zircônio. Nos últimos anos, técnicas de modificação de superfície têm sido aplicadas com o objetivo de modificar a interação da superfície do implante com tecidos e células do corpo humano, podendo promover uma aceleração do processo de osseointegração e recuperação óssea. Em especial, a técnica de anodização permite a formação de superfícies multifuncionais, com a incorporação de íons bioativos e antibacterianos. Nesta palestra, será apresentado um visão geral dos recentes trabalhos e atividades realizadas pelo Laboratório de Anelasticidade e Biomateriais, juntamente com as últimas colaborações produzidas pelo IBTN/Br.